Secretário nega atraso na chegada das águas em Boqueirão e diz que cronograma está mantido

Por Assessoria - em 638

A possibilidade de um atraso na chegada das águas da transposição no açude Boqueirão para abastecer Campina Grande e região, foi descartada, nesta quarta-feira (15), pelo secretário de Estado dos Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia, João Azevedo. Ele confirmou problema em uma das bombas na Estação 6 (EBV6), mas disse que o governo já vinha trabalhando nos cálculos com um vazão menor.

“O atraso não vai acontecer. Nós temos um planejamento e ele vem se mantendo dentro do cronograma que estabelecemos”, garantiu. Ontem, o Ministério Público Federal na Paraíba (MPF/PB), por meio da Procuradoria da República no município de Monteiro, solicitou informações sobre a vazão da água da transposição do rio São Francisco no estado e concedeu prazo de até 72 horas para manifestação do Ministério da Integração, Secretaria de Recursos Hídricos e Aesa.

De acordo com Azevedo, a vazão total das águas em Monteiro é em torno de 9 metros cúbicos por segundo, mas o planejamento foi feito para para uma vazão de 4,5 metros cúbicos por segundo. “Na Estação 6 são duas bombas, mas uma está operando e a outra está na revisão. Para antecipar a chegada das águas foi colocada uma bomba flutuante na barragem de Barro Branco (PE) com vazão de 2 metros cúbicos por segundo”, disse.

O secretário afirmou também que, a partir de domingo, já haverá, em Monteiro, uma vazão de 4,5 metros cúbicos por segundo e, no dia 25 de março, quando a segunda bomba estiver em atividade, o Ministério da Integração vai liberar 6 metros cúbicos por segundo saindo de Monteiro, passando por Camalaú até Boqueirão. Isso significa que o cronograma de 30 a 45 dias dado inicialmente não sofreu alterações. “Se houver alguma chuva pode ser até antecipado”, enfatizou.

Ao chegar em Boqueirão, as águas precisarão ser acumuladas. “Temos que manter a barragem com uma quantidade de água que garanta o abastecimento para os 18 municípios, o uso para irrigação da região toda, e manter uma lâmina de água que garanta a menor evaporação possível dentro de um volume ideal”, acrescentou João Azevedo. Só após um mês a partir da chegada das águas em Boqueirão é que será possível suspender o racionamento na cidade.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support